sexta-feira, 20 de outubro de 2017

TITE PROMOVE RETORNOS NO ATAQUE PARA AMISTOSOS CONTRA JAPÃO E INGLATERRA

Na penúltima convocação antes da Copa, a derradeira de 2017, Tite chamou nesta sexta-feira os 25 jogadores para defenderem a seleção brasileira nos amistosos contra Japão e Inglaterra, em novembro, sem grandes novidades. O treinador manteve a base que vinha jogando na reta final das eliminatórias e, entre os destaques, estão os retornos de Diego Souza, Giuliano, Douglas Costa e Taison à lista. Diego Tardelli (Shandong Luneng), Arthur (Grêmio), Fred (Shakhtar), Rodrigo Caio (São Paulo) e Jorge (Monaco) ficaram fora da relação desta vez - sendo que os dois últimos só foram chamados após os cortes de Thiago Silva e Filipe Luís.

CONFIRA OS 25 NOMES

Goleiros: Alisson (Roma), Ederson (Manchester City) e Cassio (Corinthians);
Defensores: Alex Sandro (Juventus), Daniel Alves (PSG), Danilo (City), Jemerson (Monaco), Marcelo (Real Madrid), Marquinhos (PSG), Miranda (Inter de Milão) e Thiago Silva (PSG);
Meio-campistas: Casemiro (Real Madrid), Diego (Flamengo), Fernandinho (Manchester City), Giuliano (Fenerbahçe), Paulinho (Barcelona), Philippe Coutinho (Liverpool), Renato Augusto (Beijing Guoan) e Willian (Chelsea);

Atacantes: Diego Souza (Sport), Douglas Costa (Juventus), Roberto Firmino (Liverpool), Gabriel Jesus (Manchester City), Neymar (PSG) e Taison (Shakhtar).

DIEGO, GOLEADA E INJEÇÃO DE ÂNIMO: FLA VIVE NOITE DE REDENÇÕES NA ILHA

Meia recebe vaias, mas responde com dois gols e reverência à torcida na vitória por 4 a 1 do Flamengo sobre o Bahia, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.
No pós-vice da Copa do Brasil, para o Cruzeiro, o Flamengo era só pressão. E a cobrança era justa: perdeu para a Ponte Preta, empatou com o Fluminense e venceu a Chapecoense. Fez apenas dois gols nos três jogos. A turbulência, porém, foi acalmada nesta quinta, com a vitória por 4 a 1 sobre o Bahia. A noite na Ilha do Urubu, inclusive, foi de redenções. A principal delas foi a do meia Diego.

O camisa 35, que perdeu o pênalti decisivo na final da Copa do Brasil, chegou a ser vaiado por parte dos rubro-negros quando estava 1 a 1, mas começou a se redimir com a galera justamente numa penalidade. Com 2 a 1 no marcador e resultado indefinido, aos 37 minutos da etapa final, pegou a bola. A coragem o recolocou nos braços da torcida, que, de forma uníssona, cantou seu nome.

Bateu bem, decidiu a parada, e, dois minutos após o terceiro, transformou a vitória em goleada com um golaço. Ao comemorar, primeiro explodiu. Depois curvou-se diante dos fãs em sinal de reverência. Paz entre a torcida e o principal jogador do elenco.

- Sem dúvida nenhuma procurei manter o psicológico otimista. Sempre é difícil a hora do pênalti. O goleiro se prepara para defender. Estamos sujeitos ao erro. Assumo essa responsabilidade porque estou aqui para isso. Fiz muitos gols de pênalti na minha carreira - disse o camisa 35, agora artilheiro isolado do Fla no Brasileirão, com oito gols.

Vaias, erros de passes e bela jogada no pênalti
Marcado de perto por Renê Júnior, Diego rodava para um lado e para o outro, mas não encontrava espaço para o passe certo. Tentava o tempo todo, respeitando sua característica, mas esbarrava nos rivais. Tornou-se o jogador com mais erros de passes no duelo - seis -, e isso lhe rendeu vaias. Deu de ombros, insistiu e fez jogadaça no lance que terminou em pênalti de Lucas Fonseca.

Diego compreendeu os protestos, em contrapartida admitiu viver um momento novo em sua trajetória profissional, porém lembrou que, apesar dos apupos, o carinho dos rubro-negros é algo praticamente constante em sua passagem pela Gávea.

- Assim como nós, jogadores, ficamos chateados quando não dá certo, a torcida fica decepcionada. A maneira de transmitir insatisfação é compreensível. Recebi críticas, mas um carinho muito grande. Quando pego a bola para bater, o estádio todo canta meu nome. O mínimo é agradecer e retribuir com vitórias e gols. Estamos vivos e precisamos da parceria e do carinho do torcedor. Minhas emoções são novas com o passar do tempo. Momento novo na carreira. Temos que nos superar diariamente.

"Ícone", define Rueda

Um abraço apertado e tapinhas de incentivo. Assim Reinaldo Rueda recebeu Diego na beira do campo ao tirá-lo - deu lugar a Rômulo aos 42 da etapa final, um minuto após o quarto gol. Na coletiva, o colombiano valorizou a reabilitação do camisa 35.

- Diego é um ícone, uma referência importante para nós. Por sua liderança, personalidade e inteligência de jogo. Teve caráter de pegar a bola e converter. Essa recuperação psicológica é muito, muito boa para Diego e Flamengo - afirmou. Rueda
Números de Diego no jogo:

Finalizações: 4 (maior do jogo)
Roubadas de bola: 2
Desarmes: 2
Passes certos: 29
Passes errados: 6 (quem mais errou na partida)
Faltas cometidas: 3
Faltas recebidas: 2
Jogadas aéreas: 2
Cartão amarelo: 1
Posse de bola: 2min35s
Flamengo goleador.

Não só Diego, mas todo o Flamengo se redimiu. Voltou a fazer de mais dois gols num só jogo após cinco partidas marcando apenas um ou nenhum em cada - Avaí (1x1), Cruzeiro (0x0), Ponte Preta (0x1), Fluminense (1x1) e Chapecoense (1x0). O último triunfo superior à vantagem mínima foi construído nos 4 a 0 sobre a Chape, em 20 de setembro, pela Sul-Americana.

A média da equipe de gols por jogo depois da chegada do técnico Reinaldo Rueda, inclusive, é ruim: 1,25. Antes dos 4 a 1 sobre o Bahia, era de 1,06 (16 gols em 15 jogos). O próprio treinador explicou que o principal objetivo inicial se tratava de corrigir a defesa para dar equilíbrio ao time.

Injeção de ânimo e volta das vitórias no Rio.
A goleada deixa o Flamengo mais perto da zona de classificação direta à fase de grupos da Libertadores, sem precisar disputar as duas primeiras fases - está a quatro pontos do Santos, quarto colocado, com 50. Rueda falou, durante a semana, que a meta rubro-negra é vencer os 10 últimos jogos do Campeonato Brasileiro para ir à competição sul-americana.

Embora não seja um número elevado, o Fla não vencia diante de sua torcida há um mês. O último triunfo no Rio havia ocorrido em 20 de setembro - 4 a 0 sobre a Chape. Depois disso, empatou com Avaí e Fluminense, ambos por 1 a 1, e quebrou a sequência nesta quinta, com goleada sobre o Bahia.

Autocrítica do outro destaque.
Outra figura decisiva da goleada rubro-negra foi Réver. Autor dos dois primeiros gols, o camisa 15 foi sincero ao comentar que a atuação coletiva não foi um primor. Para ele, faltou tranquilidade.

- Tem que falar (dos erros). O resultado de repente pode esconder muitos erros. Um primeiro tempo onde sofremos muito principalmente devido à nossa ansiedade de querer definir a partida de qualquer maneira. Hoje encontramos uma equipe muito bem organizada. O torcedor fez seu papel, iniciou torcendo, nos apoiando. Depois a equipe não conseguiu construir as jogadas de gols, e acredito que não finalizamos tanto no primeiro tempo. O torcedor leva para o outro lado, e isso acabou gerando ansiedade enorme na nossa equipe, o que nos atrapalhou.
O capitão do Flamengo afirmou que a conversa do intervalo foi em cima da postura do time.

- Nossa equipe voltou melhor, mais tranquila, trabalhando a bola, girando, buscando espaço, e conseguimos fazer os gols. Em cima da ansiedade foi a mudança de postura. Não podemos ter jogadores experientes e apresentar essa ansiedade. Queremos ganhar, mas não é de qualquer maneira. A gente trabalha firme, com estratégias durante a semana para chegar no jogo e saber o que fazer. Não podemos deixar isso nos atrapalhar.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

PAI DO ATACANTE CARLINHOS VAI À JUSTIÇA COBRAR DÍVIDA DO CORINTHIANS

O pai do atacante Carlinhos entrou com uma ação na Justiça contra o Corinthians. Ele cobra R$ 336.418,00 do Timão, valor referente a uma dívida pela compra do jogador, em 2014, quando ele defendia o Novorizontino.

O processo, disponível na internet desde a última sexta-feira, corre na 15ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo. As informações foram publicadas pela "ESPN" e confirmadas pelo GloboEsporte.com.

Além de Carlos de Lima, há outras três partes no processo: as empresas Jr Souza Esporte e Marketing e I-9 Sports Gestão - Consultoria e Intermediações de Negócios, e o técnico de futebol José Antonio Domingos.


O pai de Carlinhos e seus três parceiros alegam que no dia 1 de maio de 2014 celebraram com o Corinthians um "instrumento particular de cessão de direitos econômicos decorrentes de transferência de atleta profissional de futebol e outras avenças".

Segundo eles, o Timão se comprometeu a pagar R$ 500 mil por 50% do atleta. Este montante seria divido da seguinte forma:
Uma parcela de R$ 100 mil;

Oito prestações de R$ 50 mil, entre setembro de 2016 e junho de 2017.

Após atrasos e notificações judiciais, o Corinthians teria arcado com R$ 200 mil, de acordo com a ação. Contudo, como os pagamentos voltaram a atrasar, o clube foi acionado na Justiça para pagar os R$ 300 mil restantes (com correções).

Carlos de Lima tem direito a receber 25% da operação. O restante será divididos em 40% para a I-9 Sports, 20% para a Jr. Souza e outros 15% para José Antônio.

ARENA DA COPA CONSTRÓI ARQUIBANCADA FORA DO ESTÁDIO, E IMAGENS CHAMAM A ATENÇÃO

Com projetos ousados, a organização da Copa do Mundo da Rússia promete impressionar com os estádios que abrigarão o Mundial do próximo ano. Mas a Ekaterinburg Arena começou a chamar a atenção do público meses antes do torneio. Em reta final da reforma, o antigo Estádio Central de Iecaterimburgo viu surgir setores de arquibancadas que ficam totalmente fora da cobertura do restante dos lugares - em uma imagem inusitada para muitos fãs.

A existência dos dois setores "externos" já era prevista nos projetos de reforma do estádio, construído em 1957 e totalmente reformado para a Copa do Mundo. As arquibancadas, que ficam atrás dos gols, visam atender à capacidade de público mínima exigida pela Fifa para o Mundial. Entretanto, a particularidade da construção - com estrutura tubular e exposta à ação da chuva e do sol - chamou a atenção dos torcedores quando a Fifa divulgou novas imagens da reforma.

Antes do início das reformas, o Estádio Central tinha capacidade para 27 mil pessoas - abaixo do que a Fifa pede para abrigar até mesmo partidas da fase de grupos do Mundial. As obras - que preservarão a fachada clássica do local - farão com que o estádio passe a contar com cerca de 35 mil lugares, contadas as arquibancadas externas. A previsão é que tudo esteja pronto até o fim deste ano.




sexta-feira, 22 de setembro de 2017

FLA PROJETA ESTÁDIO DE OLHO NO ORÇAMENTO: "QUEREMOS CONFORTO, MAS SEM LUXO"

Vice de patrimônio do Rubro-Negro, Alexandre Wrobel relata reuniões diárias para estudar terreno da Avenida Brasil, mas avisa: "O prisma do negócio é endividar-se o mínimo possível".

Duas semanas depois de anunciar a assinatura de termo de opção de compra de terreno de 160 mil metros na Avenida Brasil, o Flamengo se debruça em estudos para o avanço do projeto. São reuniões quase que diárias para contratações de empresas e consultorias que vão ajudar o clube a analisar se compra ou não o local para a construção do estádio próprio.

Mas uma premissa não sai da ótica do Flamengo, garantem os dirigentes: a viabilidade financeira do projeto e a sustentabilidade do clube. Em outras palavras, como disse o vice-presidente de patrimônio do Flamengo, Alexandre Wrobel, em entrevista ao GloboEsporte.com, o clube não vai dar um passo maior que as pernas. Não vai comprometer o presente ou o futuro do Flamengo para realizar o sonho do estádio próprio.

- Sem sombra de dúvida, essa é uma das maiores preocupações (endividamento). Se o projeto caminhar, o prisma do negócio é endividar-se o mínimo possível. Não pensamos em arena de Copa. O estádio é para a torcida, com arquibancada vertical colada ao campo. Queremos conforto, mas sem luxo. Tudo gastando o mínimo possível, com muito rigor - disse Wrobel.

O Flamengo tem 120 dias para definir se compra o terreno. Por enquanto, afirma Wrobel, não houve nenhuma novidade sobre nova licitação do Maracanã ou qualquer sinal do governo sobre a reabertura da concessão do estádio. O projeto acústico na Gávea não está totalmente descartado, mas é um plano B, está em modo de espera - caso o clube não compre o terreno ao Grupo Peixoto de Castro (GPC).

Wrobel não confirma os valores - há cláusula de confidencialidade -, mas o preço já acordado - e que teria que passar numa segunda fase por conselhos do Flamengo - é abaixo de R$ 80 milhões para a compra do terreno. Custo bem inferior ao levado para leilão, de R$ 157 milhões. A estimativa é que o Flamengo gastaria mais de R$ 400 milhões no total.

- Estamos com arquitetos, consultores, fazendo análises ambientais, urbanísticas, de legislação, de eventual contaminação. Todas essas questões, solo, sondagem, topografia... passando essa etapa, vamos ao business plan (plano de negócios), em dois meses teríamos isso definido para então levar aos conselhos - explicou o vice-presidente do Flamengo.

A diretoria do Flamengo espera definir todas as pontas do projeto em até três meses e meio. Ou seja, antes do prazo final de opção de compra. A dona do terreno já havia entregue alguns estudos prelimares, mas o clube optou por fazer análise própria minuciosa.

- Não faremos loucura. Estudamos diversos projetos dentro e fora do país, conhecemos erros e acertos em todos estádios. Nossa linha é pé no chão - afirmou o dirigente rubro-negro.



quarta-feira, 20 de setembro de 2017

FÁCIL, FÁCIL: FLAMENGO DOMINA A CHAPE, GOLEIA POR 4 A 0 E ESTÁ NAS QUARTAS DA SUL-AMERICANA

PASSEIO COMPLETO

Com Juan jogando de terno e os volantes numa noite inspirada, o passeio foi completo na Ilha do Urubu. O Flamengo goleou por 4 a 0 a Chapecoense sem dar chance para o adversário.

Os dois primeiros gols mostraram volantes participativos que, além de batalharem no combate, aparecem na área para conferir. Cuéllar e Willian Arão foram os autores. O terceiro premiou a atuação de um zagueiro que, aos 38 anos, segue jogando o fino. O quarto mostra que o Fla segue formando bons jogadores, e Lucas Paquetá não desperdiçou grande lançamento de Éverton Ribeiro, caçado em campo.

PANORAMA DO FLA

Classificado para as quartas de final da Copa Sul-Americana, o Flamengo espera o vencedor do duelo entre Fluminense e LDU, marcado para esta quinta-feira, às 19h15, em Quito. Na partida de ida, o Tricolor venceu por 1 a 0, no Maracanã.

Caso o Fluminense avance, a dupla Fla-Flu reedita duelo da Sul-Americana de 2009. Na oportunidade, dois empates (0 a 0 e 1 a 1), mas o gol fora de casa classificou o Tricolor.

Pelo Brasileiro, o Flamengo volta a campo no sábado, às 19h, novamente na Ilha do Urubu. O rival da vez é o Avaí. O Rubro-Negro é o quinto colocado, com 38 pontos.

Trata-se do último duelo antes da decisão da Copa do Brasil, marcada para 27 de setembro, às 21h45, no Mineirão, contra o Cruzeiro.

OLHO NO BRASILEIRO

Ameaçada de rebaixamento, a Chapecoense, 14ª colocada com 28 pontos, um apenas a mais do que tem o São Paulo, time que abre a zona de rebaixamento.

A Chape volta a campo no domingo, às 16h, na Arena Condá, onde recebe a Ponte Preta.
DESTAQUE

JUAN JOGANDO DE TERNO

Se o jogo foi muito fácil para o Flamengo, Juan tem muito a ver com isso. Não deu espaço, abusou do talento em proteções e marcou o segundo gol de sua segunda passagem pela Gávea. É o 31º dele pelo Rubro-Negro. Agora está a apenas dois de Júnior Baiano, maior artilheiro dentre os zagueiros que vestiram vermelho e preto.
VOLANTES EM ALTA

O Flamengo sacramentou sua classificação praticamente no primeiro tempo. Além de terem jogado muito, Cuéllar e Willian Arão marcaram aos 6 e 21 minutos, respectivamente. O colombiano marcou muito e ajudou Trauco a anular Apodi.
Quatro polêmicas marcaram a partida

No gol de Cuéllar, Guerrero estava sutilmente à frente da linha de defesa da Chape, mas Douglas Grolli tentou desviar a trajetória da bola e deixou o peruano em posição legal. Decisão acertada do trio.

Pouco depois, Willian Arão deu grande lançamento para Berrío, que invadiria a área livre. Jandrei saiu, deu um tapa na meia-lua, e o juiz Michael Espinoza não assinalou falta nem expulsou o goleiro. Errou.

Ainda no primeiro tempo, com 2 a 0 já no placar, Éverton Ribeiro revidou diversas entradas de Wellington Paulista com um pisão em Wellington Paulista. O cartão amarelo ficou barato.

No fim da etapa final, Pará foi calçado dentro da área por Júlio César, mas o árbitro nada marcou.

PÚBLICO E RENDA
Público pagante: 10.600
Público presentes 12.039
Renda: R$ 460.758,00

GRÊMIO SEGURA PRESSÃO DO BOTA, BARRIOS FAZ DE CABEÇA E GARANTE VAGA NA SEMIFINAL DA LIBERTA

Tensão, bolas na trave, grandes defesas e emoção até o último minuto. Grêmio e Botafogo cumpriram à risca o que manda o regulamento de todo torcedor na Libertadores. No apito final, o grito de euforia foi do Tricolor, com sotaque gringo de Barrios, que venceu o duelo contra Gatito, definiu de cabeça o 1 a 0 no placar e garantiu a equipe de Renato Gaúcho na semifinal da Libertadores.
O CARA DO MOMENTO

A trajetória de Lucas Barrios no futebol brasileiro é curiosa. Foi de jogador de descartado no Palmeiras a protagonista do Grêmio na Libertadores. Chegou nesta temporada, já marcou 18 vezes e, nesta quarta, foi o nome da classificação. Após cruzamento de Edílson, mostrou leitura perfeita, antecipou Matheus Fernandes - que chegou a reclamar de falta - e testou sem chances para o amigo e companheiro de seleção Gatito. Foi o 6º gol do artilheiro do Grêmio na competição continental.
PANORAMA

O resultado na Arena interrompe grande campanha do Botafogo, que agora foca no Campeonato Brasileiro. Para o Grêmio, o desafio continua. Na próxima fase o adversário já é conhecido: o Barcelona de Guayaquil, do Equador.

PÚBLICO E RENDA

Público pagante: 47.584
Público total: 50.517
Renda R$ 2.341.147,00
ALVINEGRO VALENTE

Jair Ventura prometeu um Botafogo ofensivo em Porto Alegre, e o grupo correspondeu às expectativas do treinador. Pressionou e acuou o Grêmio no primeiro tempo. Porém, faltou o gol.

Bruno Silva parou em Marcelo Grohe, na tentativa de calcanhar na área, e na trave, em chute forte de longe. Victor Luis, na cobrança de falta, obrigou o goleiro a fazer grande defesa. Ainda teve tempo para Pimpão entortar Kannemann, invadir a área, mas bater fraquinho.
ANTES E DEPOIS

A atuação do Grêmio no 1º tempo levou Renato Gaúcho à loucura. O treinador reagia a cada saída de bola errada. A equipe não teve Luan – que entrou só no finzinho -, e o quarteto formado por Ramiro, Léo Moura, Fernandinho e Barrios começou fora de sintonia. Não demorou para a paciência acabar de vez. Aos 37 minutos, Renato sacou Léo Moura para dar lugar a Everton.


Não se sabe o que aconteceu no vestiário, mas o Grêmio voltou mais atento para o 2º tempo. No primeiro minuto, Gatito, num de seus milagres na temporada, tirou no tapinha o que seria o gol de Barrios. O Botafogo, antes perigoso, não achou espaços com tanta facilidade. Renato seguiu cobrando o toque de bola da equipe e foi recompensado. O mesmo Barrios, artilheiro da equipe na Libertadores, usou a experiência para antecipar o jovem Matheus Fernandes e, enfim, vencer o compatriota paraguaio.